Curar e Reparar
Healing and Repairing

A bienal de arte contemporânea de Coimbra — Anozero — iniciou-se, em 2015, com Mallarmé no seu subtexto. Um lance de dados foi o início de um processo de reequacionar a cidade e a arte na cidade, a sua ligação local e a possibilidade de inscrição num território mais vasto.

Para 2017, num mundo que reclama sistematicamente ser sarado das feridas que permanentemente abre, a possibilidade de pensar em questões que se dirigem claramente para a máquina avariada do mundo, como para a fragilidade do corpo, a incerteza da economia, a necessidade de permanente compensação, surge com uma urgência até agora quase inaudita.

Reparar é uma palavra de muitas significações: tanto quer dizer acautelar como compensar, arranjar como ver. Simbolicamente possui uma conotação jurídica, portanto social. E, simultaneamente, uma vertente pessoal, como um restauro; ou mesmo uma vertente urbana, social e coletivamente ativa.

É deste mundo doente, como disse Tony Judt, que é necessário tratar. Curar. E a arte não é, certamente, o melhor processo de cura e reparação, porque se situa no campo da ficção, do projeto de reparação e cura. No entanto, numa altura em que os processos artísticos parecem viver tão fascinados com a nostalgia de uma radicalidade perdida e que, portanto, precisa de ser performatizada recorrente e repetitivamente, talvez encenar a cura, expor a reparação, a sutura, a costura que une, corresponda a uma necessidade do nosso tempo.

Não se trata, portanto, de louvar a piedade da cura, mas de reclamar a necessidade de um pensamento curativo, hospitaleiro. De tentar encontrar lugares que pertencem tanto à esfera do indivíduo como à dimensão coletiva, à política como à economia, à pequena história das pequenas comunidades como às grandes necessidades de recuperação das cidades, para encontrar situações simbólicas que reinventam a poética da cura, a brutalidade da compensação, a justiça da reparação, contra a radicalidade e a sua moralidade, o seu puritanismo.

Sobre

Anozero – Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra é uma iniciativa proposta pelo Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, organizada em parceria com a Câmara Municipal de Coimbra e a Universidade de Coimbra, que assume como objetivo primordial promover uma reflexão quanto à recente circunstância da classificação da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia como Património Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Surgindo como tentativa de compreensão do significado simbólico e efetivo desta nova realidade da cidade – ser detentora de Património Mundial – a bienal propõe um confronto entre arte contemporânea e património, explorando os riscos e as múltiplas possibilidades associadas a este património cultural que agora é da Humanidade.

O Anozero é, portanto, um programa de ação para a cidade que, através de um questionamento sistemático sobre o território em que se inscreve, poderá contribuir para a construção de uma época cultural atuante e transformadora, em Coimbra e na Região Centro.

Ficha Técnica

DIRETOR-GERAL
Carlos Antunes

CURADOR-GERAL
Delfim Sardo

CURADOR-ADJUNTO
Luiza Teixeira de Freitas

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO
Désirée Pedro

PRODUÇÃO CAPC
Jorge das Neves
Karen Bruder
Pedro Sá Valentim
Sílvia Gomes

APOIO À PRODUÇÃO CAPC
Ivone Cláudia Antunes
Ricardina Oliveira

PRODUÇÃO UC
Teresa Baptista

MONTAGEM
Laurindo Marta
João Nora
Vasco Costa

COORDENAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO CONVERGENTE
Catarina Bota Leal

COORDENAÇÃO DE VOLUNTARIADO
Catarina Bota Leal
Carlos Santos | Apoio
Frederico Nunes | Apoio

COORDENAÇÃO EDITORIAL
Carina Correia

REVISÃO DE TEXTO
Carina Correia
Dave Tucker

TRADUÇÃO
Ana Marta Santos
Dave Tucker

DIREÇÃO DE ARTE
Joana Monteiro
João Bicker

DESIGN GRÁFICO
Joana Monteiro
Sérgio Rebelo

WEB DESIGN
Sérgio Rebelo

FOTOGRAFIA
Jorge das Neves

ASSESSORIA DE IMPRENSA
Isabel Campante | Ideias Concertadas

APOIO À PROGRAMAÇÃO
LINHAS | CAPC/Cada da Esquina/JACC

PROGRAMAÇÃO CONVERGENTE | CURADORIA

CICLO DE CINEMA
Bruno Fontes
Gonçalo Barros
Luís Bernardo
Pedro Sá Valentim

CONCERTOS
JACC | José Miguel Pereira

CURAR E REPARAR O CONSTRUÍDO
Désirée Pedro
Luís Miguel Correia

ESCOLA DE COIMBRA
João Mendes Ribeiro
Catarina Fortuna | Curadora-adjunta

MICRO MUSEUS
Casa da Esquina | Ricardo Correia

PEQUENOS RITOS PARA NÓS MESMOS
André Rosa & Frederico Dinis/TAGV

STILL CABANON
Désirée Pedro
José Miguel Pinto | Curador-adjunto

TURNED INTO
Galeria 7 | Alexandre Baptista


Exposições do Circuito Cidade e Circuito Universidade integradas no Programa Lugares Património Mundial do Centro

Promotores

Financiamento

Centro Portugal 2020

Parceiros Estratégicos

Câmara Municipal de Alcobaça
Câmara Municipal da Batalha
Câmara Municipal de Tomar
Direção-Geral do Património Cultural

Colaboração Institucional

Direção Regional de Cultura do Centro

Conceção e Produção

Círculo de Artes Plásticas de Coimbra

O Anozero é
organizado desde 2015 pelo CAPC
em parceria com
a CMC e a UC

O Círculo de Artes Plásticas de Coimbra é uma estrutura financiada por

Ministerio da Cultura
Direção-Geral das Artes
Câmara Municipal de Coimbra
Universidade de Coimbra

apoio à programação

Linhas

mecenas principal

Otiima

mecenas

Fundação Millennium BCP

alto patrocínio

O Presidente da República

Apoio

Exercito Português
tintas robbialac
efapel
Barreiros & Vilas, Lda. — Concessionário Citroën
https://www.inelcom.com
parkvendingcoimbra

circulo de cultura portuguesa

Apoio à divulgação

infraesturas de Portugal

Diário de Coimbra

Diário As Beiras

Campeão das Províncias

Notícias de Coimbra

Rádio Universidade
de Coimbra

Parceiros de Média

rtp2
Público