Jonathas de Andrade

O artista brasileiro Jonathas de Andrade tem vindo a desenvolver um trabalho em diversos suportes, nomeadamente filme, fotografia e escultura, numa abordagem que utiliza dispositivos próprios da antropologia, construindo discursos que geram poéticas a partir de manipulações do real.

A obra que apresenta na bienal é um exercício a partir da destruição de uma casa modernista, documentada através de uma maquete da casa destruída e de imagens fotográficas do processo de delapidação e saque. De certa forma, o projeto de Saldanha liga-se a uma certa nostalgia de fim de uma época, mas produz, também, um comentário sobre o efeito da devastação provocada pela especulação imobiliária e a forma como esta vai destruindo especificidades arquitetónicas e culturais.

Projeto de abertura de uma casa, como convém, 2009 Maquete em balsa e cedro e 11 impressões digitais sobre papel fotográfico Fotografia de Jorge das Neves

Projeto de abertura de uma casa, como convém, 2009
Maquete em balsa e cedro e 11 impressões digitais sobre papel fotográfico
Fotografia de Jorge das Neves