Os caminhos da floresta de Alberto Carneiro (1937–2017)

Alberto Carneiro cumpriria 80 anos no passado dia 20 de setembro se a sua existência terrena não tivesse cessado no dia 15 de abril de 2017. Figura ímpar do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra e de toda a arte, com uma participação memorável na primeira edição do Anozero, não poderíamos deixar de o reificar nesta segunda edição, a partir da sua obra, que é a única forma válida de convocar um artista. A obra que elegemos é aquela que pertence à coleção do Círculo — Os caminhos da floresta 4.º desenho da série de sete: A partida —, um desenho que pertence a uma série maior, dispersa por várias coleções.

Da coleção do artista exporemos também um par de desenhos da mesma série, pelo que a exposição será constituída por três desenhos acompanhados de um texto redigido por Rui Chafes, e lido nas cerimónias fúnebres de Alberto Carneiro. É um texto curto de um grande artista sobre outro grande artista que admirava, um texto poderoso e conciso. É o testemunho de um dia de chumbo para a arte, em que perdidos nos caminhos da floresta do Alberto sem o Alberto teremos de continuar a andar e procurar o nosso caminho, para não ficarmos perdidos.

Page 1, object 8

Café Santa Cruz
Praça 8 de Maio


11 nov 2017 — 30 dez 2017

Todos os dias, 7 h–24 h


CURADORIA
CAPC
Catarina Rosendo

LANÇAMENTO DO LIVRO
9 dez, 17 h
Intercriatividade — Sessões de Criação Colectiva Concebidas e Orientadas por Alberto Carneiro 1979/80

COM A PRESENÇA DE:
Catarina Rosendo
Mariana Brandão