Salomé Lamas

Salomé Lamas é uma artista e cineasta que tem vindo a desenvolver um percurso único entre o cinema e o campo das artes visuais, bem como entre a ficção e o documentário. Embora muitos dos seus filmes partam de situações quase limite, quer em termos da efetiva perigosidade dos agentes que filma (como em Terra de Ninguém) ou pelas condições extremas em que filma (como em Eldorado XXI), o caráter ficcional surge sempre como uma interrogação e uma estranheza quase inultrapassáveis. Neste último, as filmagens foram efetuadas em La Rinconada e Cerro Lunar, nos Andes do Perú, a 5500 metros de altitude, registando uma saga que é também uma misteriosa realidade etnográfica.

A obra que apresenta, The Burial of the Dead, é o resultado da reutilização de material fílmico não incluído em Eldorado XXI, «permitindo utilizar materiais excluídos da montagem, respeitar a durée de determinados planos que, por questões de equilíbrio e ritmo da totalidade, não tinha sido respeitada», como referiu a própria artista.

Como tríptico, a obra possui uma elevada imersividade, presente na escala física dos ecrãs, convocando o espectador para um confronto intenso.

The Burial of the Dead, 2016 Instalação-vídeo HD três canais, 2:39, cor, som mono três canais, 90’00’’ sincronizado em loop, Perú – Portugal – Suíça – França. Fotografia de Jorge das Neves

The Burial of the Dead, 2016
Instalação-vídeo HD três canais, 2:39, cor, som mono três canais, 90’00’’ sincronizado em loop, Perú – Portugal – Suíça – França.
Fotografia de Jorge das Neves