A bienal Anozero’17 consiste numa única exposição repartida por vários lugares da cidade, utilizando alguns dos seus espaços patrimoniais de referência — desde a Universidade setecentista, a conventos abandonados e toda a área agora Património Mundial da UNESCO.

A exposição incide sobre várias aceções da ideia de reparação e cura — quer em termos individuais e subjetivos, quer em termos coletivos —, sobre a cidade e as suas feridas. Nesse sentido, alguns artistas foram convidados a realizar peças específicas para a bienal, com tónicas importantes na própria história da cidade e nas suas idiossincrasias. Noutros casos, foram solicitadas obras a instituições e particulares, pela sua relevância na abordagem do tema.

Outros artistas estão a trabalhar a partir de espólios importantes, como as coleções da Universidade, o património simbólico da cidade, a história da destruição da Alta coimbrã e a construção da Universidade durante o Estado Novo.

A bienal apresentará obras de 34 artistas, em todas as tipologias — filme, vídeo, fotografia, pintura, escultura/instalação, performance.

Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

Mosteiro de Santa Clara-a-Nova


Sala da Cidade

Sala da Cidade


CAPC Círculo Sereia

CAPC Círculo Sereia


CAPC Círculo Sede

CAPC Círculo Sede


Galeria de História Natural do Museu da Ciência

Galeria de História Natural do Museu da Ciência


Museu Municipal de Coimbra (Edifício do Chiado)

Museu Municipal de Coimbra (Edifício do Chiado)


Maternidade Professor Bissaya Barreto

Maternidade Professor Bissaya Barreto


Convento São Francisco

Convento São Francisco


Colégio das Artes

Colégio das Artes


Círculo Sede
Monumento de Interesse Público

Desde 20 de setembro de 2016, este espaço, edifício sede do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra desde 1960 — dois anos após a sua fundação, em 1958 —, está classificado pelo Estado português como Monumento de Interesse Público.